Home Artigos Como avaliar crimes informáticos
0

Como avaliar crimes informáticos

0
0

Por Wanderley Mascarenhas

Nas últimas décadas, o fenômeno da globalização teve como um de seus resultados a universalização das comunicações, que reduziu as distâncias existentes entre os indivíduos, facilitou o acesso à informação e inovou tanto nas relações sociais, quanto econômicas.

A Internet surgiu aproximadamente no ano de 1950, no auge da Guerra Fria e jamais, em seus primeiros anos de criação, objetivou ser uma rede de comunicações que se expandisse para o mundo globalizado. Com o advento dessa nova forma de propagação da informação a evolução da sociedade aconteceu de forma notoriamente acelerada.

Diante de tais inovações, o crime que também é um fato social, se modificou adaptando-se à realidade da informática e ao ‘ciberespaço’, gerando os chamados crimes digitais. Em princípio, o usuário deste mundo virtual aproveitou-se do fato de que este novo ambiente dava a ideia de ser um local livre de regulamentação jurídica.

Neste contexto, fez-se necessário analisar as legislações vigentes para definir os delitos virtuais numa legislação específica que tipificasse e punisse tais condutas. Mesmo assim, novas formas de praticar crimes foram criadas, bem como condutas criminosas inéditas.

Em suma, os crimes digitais são toda e qualquer atividade, na qual o computador ou uma rede de computadores é usado como ferramenta, tendo como finalidade de praticar um delito. Os crimes informáticos podem ser classificados como crimes virtuais puros ou próprios, mistos e impróprios ou comuns. Eles podem atingir as mais diversas esferas, afetando toda a vida. Há que se destacar também o mais novo delito neste campo que é o chamado ”sequestro digital “.

Desta forma, a busca do conhecimento e domínio sobre o assunto mostra-se cada vez mais relevante no cenário mundial e é alvo de constante discussão em decorrência da sua atualidade e do crescente número de indivíduos que transitam neste mundo virtual, tanto no papel de usuários quanto no de vítimas.

Portanto, o tema deve ser pautado em todas as situações cotidianas de forma proativa e conduzido por especialistas da área na eventualidade da ocorrência de casos críticos que possam produzir resultados danosos e graves para todos os envolvidos.

Wanderley Mascarenhas de Souza Especialista em Gerenciamento de Crises, Negociação, Explosivos e Sequestros

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *