Home Notícias Mercado de drones cresce 30% ao ano. Fiscalizar a regulamentação ainda é desafio
0

Mercado de drones cresce 30% ao ano. Fiscalizar a regulamentação ainda é desafio

0
0

Até setembro deste ano, a ANAC registrou crescimento de 150% no cadastramento de drones no país em relação a 2017, atingindo o número de 77 mil equipamentos registrados, sendo que 28 mil são cadastrados para uso profissional e 49 mil para uso recreativo. No entanto, Emerson Granemann, CEO da MundoGEO, acredita que o número de drones voando no País deve ser bem maior.

“Creio que devemos ter mais de 150 mil equipamentos em operação no Brasil, tanto para fins profissionais como recreativos. Ou seja, 50% estão irregulares”. Estima-se que o País represente em torno de 1 a 3% do total de drones comercializados em todo mundo, em 2019. Já a previsão para 2022 é que o segmento movimente anualmente cerca de U$ 16,6 bilhões de faturamento, sendo U$ 9,6 bilhões para uso recreativo e U$ 7 bilhões para usos profissionais representando um crescimento de 90% em relação às projeções de 2019, segundo a Pitt Street Research, Gartner.

Destaca-se que a cadeira produtiva dos drones é formada não só pela venda do equipamento e sua tecnologia embarcada como os sensores especiais, mas também pelos sistemas de pós processamentos dos dados coletados e por uma infinidade de prestadores de serviços nas áreas de agricultura, florestal, mineração, mapeamento, segurança, entretenimento entre outras. Esta prestação de serviços gera com certeza a principal fatia de faturamento deste setor que não para de crescer.

Os valores considerados nestas pesquisas globais informam que o valor de um drone para uso recreativo tem um valor de U$ 1,200 e para uso profissional de U$ 9,200. Claro que no Brasil este valor em reais mais que duplica devido ao câmbio e as altas taxas de importação no caso dos drones fabricados em outros países como da chinesa DJI e suiça SenseFly. Destaca-se que o Brasil já tem fabricantes de drones profissionais de asa fixa de muito boa qualidade, da paulista Xmobots e da catarinense Horus entre outras, que já importam para outros países da América Latina principalmente.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *