Pistas no meio digital: conheça dois tipos de ferramentas utilizadas em investigações

0

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

por André Duarte

Todo mundo deixa pistas sobre sua vida: roupas, acessórios, objetos pessoais, recibos, etc. Um bom detetive sabe que a soma destes dados fala muito sobre uma pessoa. No mundo cibernético acontece a mesma coisa. Os equipamentos são preparados de forma a deixar rastros de eventos que aconteceram com eles por um longo período de tempo. Logo, é possível usá-los para investigações.

Com a grande quantidade de bytes que trafegam nas redes de computadores e servidores, torna-se cada vez mais difícil detectar abusos não óbvios. É necessário ter conhecimento e ferramentas para saber como gerar informações a partir destes dados que façam sentido e permitam detectar ameaças. Se pensarmos em automação, cada sistema gera registro de eventos de uma forma diferente e pode ser muito trabalhoso programar a leitura dessas diversas fontes possíveis. Felizmente, temos ferramentas prontas para isso, chamadas de SIEM.

No software do tipo SIEM programa-se a coleta de eventos (potenciais pistas) e cadastram-se regras sobre comportamentos específicos, o que ajudará a avaliar um desvio ou anomalia como, por exemplo: invasões, transmissões indevidas de dados, acessos não permitidos e outros cenários mais complexos. As ferramentas deste tipo costumam vir com algumas regras simples e é preciso especialistas em cibersegurança, com experiência em avaliação de ameaças, para manter atualizadas heurísticas que ajudarão na detecção de problemas.

Mas, e quanto aos casos em que ainda não se conhece o problema? É possível detectá-los com alguma automação? A resposta é: sim, com supervisão humana. Note que o SIEM pode ser um passo em busca de algo ainda maior. Com a coleta de eventos, um “ciberdetetive” pode criar um local central para os dados (datawarehouse) e aplicar técnicas (Business Intelligence) que o auxiliarão a obter insights ligados à cibersegurança.

Ao contrário dos detetives de filmes que normalmente trabalham sozinhos, os especialistas de cibersegurança que atuam com este tipo de pesquisa, graças à internet, podem compartilhar informações com o mundo, aumentando assim as chances de detecções de ameaças antes que elas se tornem realidade. Dessa forma, mesmo que em uma ciberbatalha tenha sucesso no ataque à um alvo, pode-se prevenir em outros. Isso tudo faz parte de um conceito atual chamado de Cyber Threat Intelligence (CTI).

O CTI diminui a chance de sucesso dos ofensores e traz outros benefícios, tais como:
· Contextualização e relevância para uma enorme quantidade de dados;
· Torna as organizações proativas em cibersegurança;
· Facilita a predição de eventos futuros;
· Auxilia nas tomadas de decisões sobre segurança da informação.

O que mais impressiona no Cyber Threat Intelligence é o poder de ajudar as pessoas e organizações a vencerem ciber ameaças. Há muita coisa acontecendo nos servidores e redes do mundo inteiro que nem fazemos ideia. Com o CTI, adotando os conceitos de aprender, evoluir e contribuir, chegamos a um novo patamar, agora global, de segurança da informação.

André Duarte é coordenador de Operações do Arcon Labs

Deixe uma Resposta

CREDENCIAMENTO DISPONÍVEL

Garanta sua credencial gratuita e participe do evento mais esperado para o setor de segurança na América Latina.
CREDENCIE-SE J!
close-link