Dados revelam capacidade da Amazon em reunir retratos íntimos dos consumidores

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Legislador no estado da Virgínia, nos EUA, Ibraheem Samirah estudou questões de privacidade na internet, debateu a regulamentação da coleta de dados privados pelas empresas de tecnologia, e ficou surpreso ao saber todos os detalhes que a Amazon coletou sobre ele.

Segundo matéria publicada pelo G1, a empresa possuía mais de mil contatos de seu telefone, e também tinha registros de exatamente qual parte do Alcorão ele ouviu em dezembro do ano passado, por exemplo. A Amazon sabia ainda todas as pesquisas que ele fez na plataforma da empresa.

Samirah esteve entre os poucos legisladores da Virgínia que se opuseram a um projeto de lei estadual sobre privacidade, elaborado pela Amazon e favorável à indústria. A pedido da Reuters, Samirah solicitou à Amazon a divulgação dos dados que coletou sobre ele.

A companhia reúne uma vasta gama de informações sobre seus clientes nos EUA e começou a disponibilizar esses dados para todos, mediante solicitação, no início do ano passado. Sete repórteres da Reuters também obtiveram seus respectivos arquivos mantidos pela Amazon. Os dados revelam a capacidade da empresa em reunir retratos íntimos dos consumidores.

A empresa coleta dados por meio de sua assistente de voz Alexa, de seu marketplace, do Kindle, de audiolivros pelo Audible, de suas plataformas de vídeo e música, de câmeras de segurança doméstica e de monitores de atividade física.

Essas informações podem revelar a altura, o peso e as condições de saúde de uma pessoa; sua etnia e inclinações políticas; seus hábitos de leitura e compra; seu paradeiro em um determinado dia e, às vezes, quem ela encontrou.

O dossiê de um repórter mostra que a Amazon coletou, por meio da Alexa, mais de 90 mil gravações de familiares entre dezembro de 2017 e junho de 2021. As gravações incluem detalhes como os nomes de seus filhos pequenos e suas músicas favoritas.

A companhia gravou as crianças perguntando como convencer os pais a deixá-las “brincar”, e recebendo instruções detalhadas da Alexa sobre como persuadi-los a comprar videogames. Algumas gravações envolveram conversas entre membros da família, que usaram a Alexa para se comunicarem entre diferentes partes da casa.

A Amazon diz que os produtos Alexa são projetados para gravar o mínimo possível: começa após a palavra de gatilho, “Alexa”, e encerra quando o comando do usuário chega ao fim.

De acordo com a empresa, a única maneira de os consumidores excluírem muitos desses dados pessoais é encerrando suas contas, e ainda assim, afirmou que retém algumas informações, como o histórico de compras, mesmo depois do encerramento da conta devido a obrigações legais. A Amazon também afirmou que permite aos clientes o ajuste das configurações em assistentes de voz e outros serviços, para limitar a quantidade de dados coletados.

Comentários estão fechados.