Pesquisa aponta que empresas globais operam com menos de 40% de seu potencial digital

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Ainda há muito espaço para as companhias avançarem no ambiente digital. Isso é o que aponta uma pesquisa encomendada pela empresa de tecnologia BMC, e executada pela 451 Research. A apuração ocorreu no final de 2020, e os resultados foram apresentados em março de 2021.

O levantamento mostra que empresas globais atualmente praticam cerca de dois quintos do que é necessário para funcionar como uma ADE, sigla em inglês para Empresa Digital Autônoma. A própria BMC define ADEs como o futuro do mundo empresarial. São corporações com “sistemas criadores de valor inteligentes, interconectados e habilitados para tecnologia, que minimizam o esforço manual para capitalizar a criatividade, as habilidades e o intelecto humanos em toda a empresa”. A pesquisa obteve insights de 1.200 empresas e tomadores de decisão de TI de mais de 20 setores em 11 países.

>> Contribuintes conectados devem redobrar a atenção contra hackers

>> A busca por segurança digital garante a ascensão do mercado de certificação

>> Avanço do home office leva empresa de segurança digital a lançar novos produtos – mais seguros e menos intrusivos

Para os pesquisadores, ficou claro que o Índice Global ADE deve aumentar de 39,3% para 46,1% nos próximos dois anos, indicando um reconhecimento de empresas ao redor do mundo de que é necessário investir mais em soluções de tecnologia que aumentam a competitividade digital. As principais áreas de foco empresarial continuam a incluir negócios orientados a dados, com uma variação. O foco em segurança cibernética deve crescer, além do cuidado com a experiência dos clientes.

Entrevistados da América Latina relataram um aumento projetado de pontuação no Índice ADE para 52% em dois anos – o maior salto em todas as regiões – o que significa que deve haver aumento de investimentos na região para aumentar a autonomia digital dos empreendimentos. Para Carl Lehmann, analista-sênior de Pesquisa da 451 Research, o estudo mostra que “áreas como segurança são uma prioridade de investimento. A habilidade de se comparar com outros nomes do mercado pode ser uma vantagem para uma companhia que busca se adaptar e ser mais competitiva”.

Os resultados completos foram publicados no estudo  “A Empresa Digital Autônoma: Uma Abordagem Estratégica para Medir e Melhorar a Competitividade Digital”. O trabalho completo, em inglês, está disponível no site da companhia.

Comentários estão fechados.