Segunda fase do Open Banking já está em vigor

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Em agosto, foi iniciada a segunda fase do Open Banking no Brasil. Com essa nova etapa, os clientes poderão solicitar o compartilhamento de dados cadastrais, de informações sobre transações em suas contas, cartão de crédito e produtos de crédito contratados em instituições financeiras.

De acordo com o Banco Central, os benefícios para os clientes é que eles poderão receber ofertas de produtos e serviços mais adequados ao seu perfil, a custos mais acessíveis e de forma mais ágil e segura. Também poderão surgir soluções mais personalizadas de gestão e de aconselhamento sobre finanças pessoais, por exemplo.

“O Open Banking é uma rede segura de informações dentro do sistema financeiro. Você vai construir o seu próprio banco, escolhendo os melhores produtos para você”, afirma o chefe-adjunto do departamento de tecnologia da informação do Banco Central, Aristides Cavalcante.

Vale salientar que o compartilhamento ocorre apenas se a pessoa autorizar, sempre para finalidades determinadas e por um prazo específico. Ela, ademais, poderá cancelar essa autorização a qualquer momento, em qualquer uma das instituições envolvidas. Todo esse processo leva em conta as regras da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que obriga as instituições a manter seguras e sigilosas as informações dos clientes.

O que é Open Banking

O Open Banking, ou sistema financeiro aberto, abre a possibilidade de clientes de produtos e serviços financeiros compartilharem suas informações entre diferentes instituições autorizadas pelo Banco Central. O objetivo é simplificar as relações entre bancos e clientes, ampliar a competitividade e baratear serviços.

Ele está sendo implantado de forma gradual, em quatro etapas. A terceira etapa, por exemplo, deve começar em outubro. Nela, surge a possibilidade de compartilhamento dos serviços de iniciação de transações de pagamento e de encaminhamento de proposta de operação de crédito.

Por fim, a quarta fase, com início previsto para 15 de dezembro, prevê o compartilhamento de informações sobre produtos de investimentos, previdência, seguros, câmbio, entre outros, ofertados e distribuídos no mercado.

Comentários estão fechados.