Segurança das mensagens privadas trocadas entre usuários do WhatsApp pode estar ameaçada, denuncia site

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Para garantir a confidencialidade das mais de 100 bilhões de mensagens trocadas entre usuários do WhatsApp, a empresa de Mark Zuckerberg utiliza a criptografia de ponta a ponta para assegurar que as pessoas se comuniquem com segurança. Todavia, segundo reportagem do site Business Insider, também replicada pelo ProPublica, a companhia estaria contratando profissionais ao redor do mundo para verificar e moderar os conteúdos trocados por usuários no app.

O WhatsApp pertence ao Facebook desde 2014, quando a companhia de Zuckerberg o comprou por US$ 19 bilhões.

Um porta-voz da rede social afirmou ao Business Insider que a empresa autoriza usuários a denunciar abusos cometidos por outras pessoas. Esses excessos seriam revisados pelos empregados do Facebook. De acordo com declarações da fonte, “quando um abuso é reportado, são encaminhadas aos moderadores do aplicativo as mais recentes mensagens enviadas a você pelo usuário ou pelo grupo reportado”.

Em sua defesa, a companhia foi enfática em alegar que não concorda que a aceitação de denúncias de mensagens abusivas seja equivalente ao desrespeito à privacidade nas mensagens trocadas por seus usuários. “O WhatsApp providencia uma maneira para as pessoas denunciarem spam ou abuso, o que inclui compartilhar as mensagens mais recentes em um bate-papo”, pontuou. “Esse recurso é importante para prevenir o pior abuso na Internet. Nós discordamos veementemente da noção de que aceitar denúncias que um usuário escolhe nos enviar seja incompatível com a criptografia de ponta a ponta.”

Fonte: Época Negócios

Comentários estão fechados.