Segurança eletrônica e o impacto nos índices de violência

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O setor de segurança eletrônica faturou R$ 9,24 bilhões em 2021, segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese). Um crescimento total de 14%, maior do que o ano anterior (13%). Este investimento privado em segurança está impactando diretamente nas taxas de violência no Brasil.

Segundo o Monitor da Violência, iniciativa do portal G1 que analisa todos os dados oficiais dos estados brasileiros e do Distrito Federal, o número de assassinatos caiu 7% em 2021, o menor desde 2007, ano em que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública passou a coletar informações. Foram 41.100 homicídios, um índice ainda melhor do que os dados do Atlas da Violência 2021, divulgado no mês passado, que havia registrado uma queda de 22% no número de homicídios em 2019 em relação a 2018, com um total de 45.503 mortes violentas.

De acordo com Marco Antônio Barbosa, especialista em segurança e diretor da CAME do Brasil, esta melhora vem de encontro também com o aumento na procura por soluções mais tecnológicas. “Nos últimos anos, os dados alarmantes e a sensação de insegurança crescente fizeram com que empresas e pessoas físicas buscassem soluções mais robustas para evitar o crime. As pessoas também precisaram ficar mais em casa desde o início da pandemia, o que gerou a necessidade de estarem mais protegidas”, explica.

 

Mercado robusto

 

Barbosa acrescenta que câmeras, portaria eletrônica, portões com tempo de abertura menor e cancelas com garras de tigre para evitar arrombamento são apenas algumas entre tantas outras possibilidades que o mercado, composto hoje de mais de 33 mil empresas, apresenta todos os anos para fazer com que os sistemas de segurança caibam no orçamento e nas necessidades de cada um, sem precisar esperar por políticas públicas vindas dos governantes.

A mesma situação é vista em crimes como roubo de cargas. “O setor de logística, depois de ver por muito tempo o impacto da violência nos lucros, investiu pesado nos últimos anos no rastreamento de caminhões e também no fortalecimento da segurança de galpões de armazenamento com equipamentos de alta segurança, e já começou a sentir o resultado. A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) registrou uma redução de 9% nas ocorrências em 2021, se comparado com o ano anterior. Este resultado é o mais baixo dos últimos oito anos. O estado de São Paulo, que corresponde a 80% dos casos deste tipo de crime, também registrou uma queda de 23%”, comenta Barbosa.

Para o especialista, este aumento na busca por segurança eletrônica e o reflexo nos números da criminalidade brasileira devem continuar em 2022 e nos próximos anos. Com a chegada do 5G, que revolucionará a forma de consumir tecnologia e integrar ainda mais os sistemas de Internet das Coisas (IoT), as casas mais inteligentes farão com que as soluções de segurança também evoluam para facilitar a vida das pessoas.

“É um caminho sem volta, em que a iniciativa privada vai ajudar ainda mais no combate e prevenção da violência no mundo. Com mais acesso à tecnologia e mais opções para todos os orçamentos e demandas, o setor deve impactar muito nos relatórios futuros”, conclui Barbosa.

Comentários estão fechados.

CREDENCIAMENTO DISPONÍVEL

Garanta sua credencial gratuita e participe do evento mais esperado para o setor de segurança na América Latina.
CREDENCIE-SE J!
close-link