Setor de segurança Eletrônica cresceu 13% no ano passado

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Enquanto diversos setores sofreram quedas acentuadas, o mercado de produtos de segurança eletrônica teve um salto de 13% em 2020 na comparação com o ano anterior. O resultado faz parte da “Pesquisa Panorama 2020 e Tendências do Mercado para 2021”, apresentada pela Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese). O crescimento acima da média reflete, segundo a entidade, “o aumento da adesão de câmeras termográficas, videomonitoramento e portarias remotas”.

A presidente da Abese, Selma Migliori, ressalta o reposicionamento rápido das empresas do setor, que adaptaram seus recursos à nova realidade e conseguiram não só se manter, mas projetar considerável crescimento. “Entendemos e enfatizamos que estes pontos não anulam a força da pandemia, mas explicitam o quanto nossas soluções colaboraram para garantir segurança e conforto durante o isolamento social. Dentre as tecnologias que impactaram o resultado identificamos a portaria remota, câmeras termográficas e soluções integradas de videomonitoramento que foram solicitadas por condomínios comerciais, áreas de eventos e outros espaços que permaneceram fechados, mas que precisavam estar atentos às possíveis invasões e roubos”, detalha Migliori.

A pesquisa, que ouviu 385 profissionais de diversos segmentos da Segurança Eletrônica (Indústria, Distribuidores, Desenvolvedores de Software e Prestadores de serviços) indica ainda que mais de 60% das empresas estimam um crescimento de até 15% em 2021. Além disso, segundo o levantamento, a indústria deve abrir vagas em diversas áreas, como comercial (57%), técnica (39%) e administrativa (32%). E surge uma nova função que, de acordo com a pesquisa, ganhará espaço nos próximos anos – o Encarregado de Dados, que cuidará das adequações referentes à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Comentários estão fechados.