Relatório identifica 2 milhões de dados de brasileiros expostos na internet

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Um levantamento sobre cibersegurança revela que, no terceiro trimestre deste ano, 2,03 milhões de dados de brasileiros ficaram expostos na internet. Embora o número impressione, representa uma queda de 99,5% em comparação com o segundo trimestre de 2021, quando houve o vazamento de 465,5 milhões de registros.

O relatório é da Axur, empresa de monitoramento e detecção de riscos digitais, que destaca também os vazamentos de credenciais governamentais e do setor privado. Entre funcionários de órgãos públicos federais, estaduais e municipais, foram identificados 16 mil dados expostos – queda de 96%. Entre funcionários de empresas, foram 148 mil – redução de 70%.

De acordo com a Axur, os CPFs aparecem como o alvo preferido dos cibercriminosos, correspondendo a 57%. Endereços de email (968 mil) e CNPJs (480 mil) também figuram na lista.

Quanto ao vazamento de cartões de créditos e débitos, o Brasil aparece em primeiro no ranking mundial. Foi responsável por 22,1% de todas as exposições desse dado, o que corresponde a 299 mil. Índia (16,9%) e Estados Unidos (11,1%) completam o pódio.

Segundo Eduardo Shultze, líder de inteligência em ameaças da Axur, alguns dados são comercializados e podem valer bastante dinheiro; já outros, embora não tenham valor intrínseco, podem causar danos à reputação de uma marca ou instituição.

“O ideal, para não ter informações vazadas, é evitar cadastros em qualquer site, analisar onde está inserindo seus dados, verificar as permissões que um aplicativo solicita antes de autorizar e ativar a autenticação em dois fatores, além de não abrir links sem verificar a procedência”, disse em entrevista ao UOL.

Fonte: UOL

Comentários estão fechados.