Cresce o número de condomínios que adotaram a portaria remota

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

De acordo com pesquisa realizada pela plataforma SíndicoNet, que fornece informações sobre espaços residenciais, o número de condomínios na capital de São Paulo que adotaram a portaria remota cresceu. Os motivos são diversos, seja por questões de aumento de segurança, seja pela diminuição na taxa de condomínio, por exemplo. A pesquisa foi realizada em 2021 e contou com 957 gestores, mostrando que 15,4% deles dispensaram os porteiros e, no lugar, adotaram a portaria remota. Em base de comparação, em 2018 esse número era 8,2% – um crescimento de 86% de lá para cá.

A adesão a um sistema digital varia a partir do tamanho do condomínio, podendo ultrapassar a marca de R$ 100 mil. “No meu prédio são apenas dezesseis apartamentos, temos uma entrada de pedestres e pagamos R$ 9 mil reais por mês pelo sistema digital. Antes disso, tínhamos três turnos de porteiros, que custavam R$ 20 mil reais por mês. A folha de pagamento representa até 70% dos custos de um condomínio”, aponta Julio Paim, CEO do SíndicoNet e responsável pela pesquisa.

Veja mais sobre a pesquisa

 

 

Tecnologia e comportamento: Adesão tecnológica e novas tendências nos condomínios

 

Qual a opinião dos síndicos sobre o uso de portal virtual ou remota?

Censo 2021 – Portaria remota

São Paulo
Total de respostas: 957

  • 15,4% dos gestores ouvidos pelo SíndicoNet em São Paulo tinham portaria remota nos seus condomínios (147 condomínios). Número superior à média nacional, que é 12%.
  • Outros 31,8% disseram ainda não usar, mas consideravam a ferramenta como uma opção futura (304 condomínios)
  • 38,7% dos síndicos não tinham portaria remota, nem pretendiam ter (370 condomínios)
  • 14,2% afirmaram que não pois não seria viável em razão de seus condomínios serem muito grandes (136 condomínios)

 

Censo 2018 – Portaria remota

São Paulo

Total de respostas: 1213

 

  • 8,24% dos gestores ouvidos pelo SíndicoNet em São Paulo tinham portaria remota nos seus condomínios (100 condomínios). Número superior à média nacional, que era 7,7%.
  • Outros 44,5% disseram ainda não usar, mas consideravam a ferramenta como uma opção futura (540 condomínios)
  • 30,17% dos síndicos não tinham portaria remota, nem pretendiam ter (366 condomínios)
  • 17,15% afirmaram que não pois não seria viável em razão de seus condomínios serem muito grandes (208 condomínios)

 

Censo 2021 – Portaria remota
Brasil

Total de respostas: 2323

Considerando o recorte nacional, o Censo SíndicoNet 2021 mostra que 12% dos condomínios brasileiros já utilizam portaria virtual ou remota.

Outros 36% dos gestores disseram ainda não usar, mas consideram a ferramenta como uma opção futura. No Censo de 2018, apenas 7,7% dos condomínios usavam portaria virtual ou remota. Um crescimento de 55,85% em 3 anos.

 

NPS entre os síndicos (portarias remotas)

 

Síndicos satisfeitos: entre os condomínios que utilizam portaria remota, o NPS (Net Promoter Score, uma metodologia de acompanhamento de satisfação de usuários de produtos e serviços) apontado pelos gestores foi de +46, considerado um patamar elevado que sugere alta probabilidade de recomendação do uso de portaria remota ou virtual para terceiros. Para chegar a essa nota (+46), 59,6% deram notas 9 ou 10 e apenas 13,4% deram notas abaixo de 7.

 

No Censo de 2018, o NPS foi de +27.

 

Censo 2018 – Portaria remota

Brasil

Total de respostas: 2.500

 

Considerando o recorte nacional, o Censo SíndicoNet 2018 mostra que apenas 7,7% dos condomínios usavam portaria virtual ou remota (202 condomínios).

  • Outros 47,6% dos gestores disseram ainda não usar, mas consideram a ferramenta como uma opção futura.
  • 29,2% dos síndicos não tinham portaria remota, nem pretendiam ter (758 condomínios)
  • 15,4% afirmaram que não pois não seria viável em razão de seus condomínios serem muito grandes (401 condomínios)

 

Comentários estão fechados.

CREDENCIAMENTO DISPONÍVEL

Garanta sua credencial gratuita e participe do evento mais esperado para o setor de segurança na América Latina.
CREDENCIE-SE J!
close-link