Empresas clandestinas: o barato que sai caro

0

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Enquanto empresários contratam seguranças sem o devido treinamento, casos de violência e exageros na atuação dos profissionais se espalham, denegrindo a imagem do setor

A Segurança Privada tem ampliado cada vez mais a sua participação dentro do combate ao crime contra a pessoa física ou o patrimônio. Atualmente, as forças privadas representam um contingente maior do que as forças de segurança pública e as suas ações de auxílio, impactam diretamente o esclarecimento de delitos, seja pela atuação dos profissionais ou pela concessão de imagens de sistemas internos de monitoramento para as polícias Civil e Militar.

O SESVESP – Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Segurança Eletrônica e Cursos de Formação do Estado de São Paulo – representa 530 empresas no estado de São Paulo, que empregam atualmente 220 mil vigilantes. Segundo o SESVESP, o número de profissionais clandestinos que atuam na defesa ao patrimônio deve ultrapassar os 600 mil.

Quando o assunto é legalidade, as empresas do setor têm uma fiscalização ativa da Polícia Federal a fim exercerem suas funções. Para que elas tenham a atuação permitida, de acordo com a lei federal nº 7.102, de 1983, são necessários o treinamento dos profissionais, cursos periódicos de reciclagem e registros do uso de armas de fogo junto à PF.

Os profissionais clandestinos são uma realidade em todas as atividades da Segurança Privada. Condomínios, clubes, bares, boates, shoppings centers, supermercados e transportadoras são alguns dos exemplos de empresas e estabelecimentos que contratam profissionais para fazer a segurança sem o devido treinamento e regulamentação.

O grande problema da prática se dá quando há a necessidade de intervenção desses profissionais para solucionar um conflito ou intervir em uma ação criminosa. O vigilante descredenciado pode tomar atitudes com uso desmedido da força ou não ter o treinamento adequado para solucionar algum sinistro. Isso pode resultar em agressões, conflitos e até mortes, que poderiam ser evitadas com a atuação de um profissional capacitado. Relatos de pessoas que foram espancadas por vigilantes no interior de bares e boates, ou de seguranças que se escondem no meio de cargas para surpreender assaltantes à bala não são raros. A vigilância privada tem se especializado, capacitando os seus profissionais, com o uso de equipamentos de última geração e técnicas modernas de atuação, para alcançar os melhores resultados na resolução de conflitos.

Outro aspecto que a clandestinidade traz à sociedade é a sonegação de impostos, já que a maioria desses ‘profissionais’ não são registrados. Há ainda a perda de campo de trabalho dos vigilantes devidamente registrados e treinados.

Deixe uma Resposta

CREDENCIAMENTO DISPONÍVEL

Garanta sua credencial gratuita e participe do evento mais esperado para o setor de segurança na América Latina.
CREDENCIE-SE J!
close-link