Conexão Abese Online ressalta a necessidade de educação e qualificação no setor de segurança eletrônica

Receba atualizações em tempo real direto no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A última edição do Conexão Abese Online, realizada durante a 2ª edição da Exposec Virtual, recebeu profissionais do mercado, palestrantes e especialistas para um bate-papo educativo sobre temas relacionados à humanização nas empresas, reforma tributária e mão de obra qualificada. Durante dois dias, o evento antecipou os principais temas para guiar o planejamento estratégico dos empresários do setor em 2022.

De olho na saúde mental das pessoas, sobretudo na volta ao trabalho presencial, e na retenção de talentos, o painel de abertura destacou a importância da comunicação na gestão humanizada das empresas.

Com o desafio de coordenar um time de colaboradores em 41 países, o CEO Global do Grupo Stefanini, Marco Stefanini, destacou que o grupo é uma empresa de capital intelectual, ou seja, as pessoas são a alma do negócio. “O peso do capital intelectual subiu muito e é tão importante quanto o capital financeiro. A preocupação com as pessoas, o carinho – não importa a nacionalidade, todos gostam de se sentir valorizados”, afirmou o CEO.

Já o Estrategista de Comunicação e Nº 1 LinkedIn Top Voices, Marc Tawil, complementou sobre a importância da comunicação: “O papel da empresa também é acolher. Comunicar também é ouvir, delegar, cobrar, não é apenas falar. Lembro que estamos começando uma nova sociedade, a sociedade 5.0. Este modelo é pautado em 3 pilares: inclusão, qualidade de vida e sustentabilidade, mas a comunicação é o meio que une todas as competências”.

LGPD e mão de obra qualificada

Os  impactos da reforma tributária na segurança eletrônica também foram debatidos por especialistas durante o Conexão Abese Online. O painel tratou de uma questão que gera muitas dúvidas no setor: a pejotização – ou seja, a contratação de uma empresa por outra empresa, como explicou a advogada Luciana Sartori,membro efetivo da Comissão de Direito do Trabalho da OAB/SP e Sócia do escritório Sartori & Roccato Sociedade de Advogados.

“Não adianta elaborar o melhor dos contratos e, no dia a dia, continuar uma relação de emprego nos termos da CLT. Não se deve exigir habitualidade, subordinação e, o mais importante, pessoalidade. Quando há estes requisitos, o contrato de pessoa jurídica deixa de existir”, esclareceu.

A assessora jurídica e contábil da Abese, Patrícia Roccato, também alertou os empresários para a necessidade de estruturar o planejamento de 2022 já tendo em vista a LGPD e as mudanças da Reforma Tributária. “ Estamos em um momento de análise e o planejamento do próximo ano já deve considerar a emenda PEC 110, que trata da questão de cobrança sobre dividendos e lucros, não deixem para última hora!”.

E no painel “Brasil: atualidades e perspectivas”, o Subsecretário de Comércio e Serviços do Ministério da Economia, Fábio Pina, chamou atenção para o atraso que a falta de mão de obra qualificada pode causar ao mercado de segurança eletrônica. “Acredito que haverá uma demanda maior no futuro porque é preciso ser mais eficiente, inteligente e mais barato, mas não sei se haverá  mão de obra qualificada no Brasil para produzir e atender toda a demanda por inteligência. Essa é uma ótima oportunidade e também um desafio”, analisou.

Comentários estão fechados.