Setor de segurança eletrônica mostra crescimento na busca por tecnologias inteligentes

De acordo com o levantamento da Abese, 40% do setor notou crescimento na procura por soluções que atendem às novas demandas

Get real time updates directly on you device, subscribe now.

Depois de um período difícil, no início da pandemia, em março e abril, o setor de segurança eletrônica registrou recuperação a partir de maio. A análise é da presidente da Associação Brasileira das Empresas de Segurança Eletrônica – Abese, Selma Migliori. “Essa melhora acelerou-se em junho e ganhou mais força ainda em julho. E, a partir daí, o setor veio numa crescente”.

A percepção de Selma é reafirmada por uma pesquisa feita pela Abese com indústrias, distribuidores e prestadores de serviço de todo o país, sobre os impactos da Covid-19 no setor. O estudo apontou que 40% das empresas do segmento notaram o aumento da procura por soluções de segurança voltadas às novas demandas que surgiram devido à pandemia. Segundo o levantamento, entre as tecnologias mais buscadas durante este período estão as câmeras térmicas e o reconhecimento facial.

Na avaliação de Selma, a pesquisa revela que há muito espaço para a segurança eletrônica no “novo normal”. “Muitos setores que não previam investimentos para este ano na área de segurança eletrônica precisaram agora priorizar a implantação de soluções para a continuidade dos negócios. No contexto de pandemia, muitas soluções já implantadas foram criativamente readaptadas. Estes pontos não invalidam a crise que esta situação mundial representou para todos os setores da sociedade”, analisa.

Antes do início do isolamento social, as câmeras térmicas – ainda utilizadas com foco na segurança – representavam 6,2% das vendas do segmento. Contudo, a pesquisa mostra que após o início da quarentena, a comercialização de câmeras capazes de identificar indivíduos com temperatura acima de 37,8°C (indício de quadros de febre), um dos sintomas de alerta da Covid-19, saltou para 13,7% das soluções comercializadas. O crescimento ilustra a adaptabilidade das soluções do setor que, além de inovação, também investe no aprimoramento contínuo das tecnologias que já existem para que se adequem às novas demandas e alcancem novos mercados.

Outra solução que registrou aumento na comercialização devido às exigências dos novos protocolos sanitários foram as câmeras com reconhecimento facial, que tiveram crescimento de 12,3%. A necessidade de evitar as interações sociais dentro de condomínios residenciais e empresas acelerou a procura por soluções inteligentes que atuam de maneira autônoma, como a identificação do acesso de pessoas e moradores. Assim, a tecnologia desenvolvida para garantir a segurança de acesso a ambientes restritos, incorporou um novo potencial de uso a partir das necessidades do “novo normal”.

Portaria remota

O segmento de portaria remota também tem se mostrado bastante requisitado. Quase 20% dos entrevistados responderam que houve aumento pela procura das soluções que permitem o atendimento à distância em condomínios e empresas. O segmento residencial, inclusive, apresentou algumas oportunidades de novos negócios durante a quarentena, puxados pelas soluções para monitoramento à distância de casas de veraneio que ficaram vazias devido às imposições de isolamento: 17,6% dos empresários perceberam o crescimento deste tipo de demanda.

Setor manteve empregos

O estudo também revela que 65,2% das empresas não demitiram e 20,3% das empresas chegaram a contratar novos colaboradores durante o mesmo período. A pesquisa ainda indica que há novas oportunidades de vagas para o setor: 7,9% dos entrevistados afirmaram que ainda não efetivaram as contratações, mas estão em busca de novos talentos. Dentre as áreas com mais oportunidades estão: área técnica (39,6%), área comercial (27,8%) e marketing (11%). 

O setor de segurança eletrônica é responsável por gerar mais de 250 mil empregos diretos e mais de dois milhões indiretamente. Em 2019 o mercado de segurança eletrônica no Brasil faturou R$ 7,17 bilhões.

Comments are closed.